O que diz a ...

MÍDIA

apoio

conecta horizontal preto.png
aplicacao-conjunta-2.png

Segunda-feira, 17 de maio - Entregue até 8h 45 min.

Newsletter com um olhar estratégico para a leitura  de diretores e conselheiros da Abrapp, Sindapp,  ICSS e UniAbrapp, trazendo uma síntese combinada com  a essência das informações de interesse encontradas nas mais variadas mídias. Recomendamos ao leitor desejoso de obter mais detalhes procurá-los nas fontes originais das notícias aqui resumidamente publicadas.

Covid3.webp

RH

Pandemia: O que dizem os números e a Justiça do Trabalho

Vara do Trabalho mantém demissão por justa causa de  funcionária que não se vacinou

 

Fonte(s) primária(s):  jornais  FOLHA DE S. PAULO e O GLOBO e portal  CONJUR - CONSULTOR JURÍDICO

O número de desligamentos profissionais por morte no Brasil cresceu em 71,6%, passando de 13,2 mil para 22,6 mil contratos, entre o primeiro trimestre do ano passado e o mesmo período deste ano, segundo levantamento do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos).

Embora os dados não permitam identificar a causa dos óbitos, o aumento indica a dimensão do impacto da pandemia do novo coronavírus no país no mercado de trabalho formal.

Vara do Trabalho mantém demissão por justa causa de  funcionária que não se vacinou -  A 2ª Vara do Trabalho de São Caetano do Sul, no ABC paulista, manteve a demissão por justa causa de uma auxiliar de limpeza hospitalar que recusou a se vacinar contra a Covid-19.

Para a juíza em primeira instância a imunização “compulsória é perfeitamente legal”, devido à possibilidade de a funcionária, ao não aceitar a vacina, se expor à contaminação e colocar em risco colegas de trabalho e pacientes.

Por isso, segundo ela, o direito individual da trabalhadora de abrir mão da vacinação não pode se sobrepor à necessidade de proteger a saúde coletiva.

 

50 +

Iniciativas buscam fomentar a empregabilidade dos mais maduros

Fonte(s) primária(s):  jornal FOLHA DE S. PAULO

 

A Labora, plataforma de tecnologia voltada para a seleção de profissionais sênior, trabalha com uma proposta diferente, segundo o jornal.

Quem busca a startup faz uma série de cursos gratuitos, cedidos por grupos como Sebrae e Oracle. Segundo Serapião, a tecnologia da Labora vai “lendo” as habilidades dos candidatos no decorrer desses treinamentos e monta um mapa de competências.

É esse mapa que, depois, é apresentado às empresas na seleção. Sem currículo ou foto, o candidato se apresenta por meio de uma pequena biografia. A ideia, segundo Serapião, é garantir que o profissional seja escolhido por seus talentos, independentemente da idade ou experiência anterior.

Chamado de Liga Labora, o grupo reúne 15 executivos de grandes empresas, a maioria de RH, que definiram como meta criar 100 mil postos de trabalho para profissionais com mais de 50 anos até 2022.

“Sabemos que é uma meta bastante agressiva”, diz Pedro Pitella, diretor de Recursos Humanos da Sanofi. “Queremos desmistificar o assunto, acabar com os vieses no recrutamento e seleção”, afirma.

Demografia

É esperada a maior queda da população mundial

Fonte(s) primária(s):   jornal  VALOR ECONÔMICO

Os números são ainda muito preliminares e se referem a alguns países isoladamente, mas especialistas acreditam que por força do crescimento do número de mortes e da redução da natalidade a população mundial deve conhecer uma queda muito forte, algo nunca visto fora períodos de guerra.

A expectativa é que o fluxo de nascimentos permaneça baixo por alguns anos.

 

Investimentos

Dispara a criação de novas gestoras

Fonte(s) primária(s):   jornal  O ESTADO DE S. PAULO, BLOG  DA ABRAPP e portal da revista INVESTIDOR INSTITUCIONAL

Em apenas 3 meses, ou seja, no primeiro trimestre deste ano, o mercado brasileiro viu nascer nada menos de 27 novas gestoras de recursos, praticamente a metade do número (59)  surgido no ano passado inteiro.

Parecem ajudar  nisso o aumento do número de investidores pessoas físicas e as facilidades criadas pela tecnologia. Nos últimos 3 anos foi criada mais de uma centena de gestora.

 

 

Superávit expressivo em 2020 - As EFPCs  encerraram o ano passado com um superávit liquido de R$ 8,1 bilhões, , resultado da diferença entre o superávit de R$ 35,3 alcançado por parte das entidades e o déficit de R$ 25,2 bilhões sofrido pelas demais.

Para o superintendente da Previc, que apurou os números, foi um "resultado expressivo, que demonstra a resiliência do sistema, uma vez que foi alcançado em um ano de intensa volatilidade.